Olá, sou Lucas Melo, Ortopedista e Especialista em Joelho. A partir de agora, vamos discutir tudo sobre as lesões ligamentares do joelho. Conheça os tópicos que serão abordados nesse Guia Completo das lesões dos ligamentos do joelho:

  1. ESSA É A SUA HISTÓRIA? FOI ASSIM QUE A SUA LESÃO ACONTECEU?

  2. O QUE SÃO OS LIGAMENTOS DO JOELHO?

  3. ANATOMIA E FUNÇÃO DOS LIGAMENTOS DO JOELHO

  4. COMO OCORREM AS LESÕES DOS LIGAMENTOS DO JOELHO?

  5. GRAU DAS LESÕES LIGAMENTARES

  6. SINAIS E SINTOMAS APÓS UMA LESÃO LIGAMENTAR DO JOELHO

  7. EXAMES COMPLEMENTARES E DIAGNÓSTICO DAS LESÕES DOS LIGAMENTOS DO JOELHO

  8. VISÃO GERAL SOBRE O TRATAMENTO DAS LESÕES LIGAMENTARES

  9. TRATAMENTO CONSERVADOR (NÃO-CIRÚRGICO)

  10. TRATAMENTO CIRÚRGICO

  11. REABILITAÇÃO E ORIENTAÇÕES NO PÓS-OPERATÓRIO DAS LESÕES DOS LIGAMENTOS DO JOELHO

1. ESSA É A SUA HISTÓRIA? FOI ASSIM QUE A SUA LESÃO ACONTECEU?

“Estava no meio da partida, na hora que apoiei o meu pé no chão, ele ficou preso e eu girei o corpo. Pronto, na hora escutei só o barulho. Doeu demais e “inchou bastante”. Depois de uns 15 dias, a dor passou. Mas aí fui tentar voltar a jogar, só que não sinto firmeza nenhuma no joelho, é como se ele fosse sair do lugar”.

“Estava na bicicleta/moto e acabei caindo, o trauma foi mais intenso. Na hora senti que meu joelho apoiou de mau jeito. “Inchou” bastante, agora sinto que ele está “frouxo”.

Não importa se foi no futebol, basquete, vôlei, dança ou praticando alguma arte marcial. Você se identificou com essa história? Não deixe de ler esse Guia Completo das lesões dos ligamentos do joelho até o final! Esse texto completo e rápido irá fazer com que você entenda tudo sobre as lesões dos ligamentos do joelho. Se ficar com qualquer dúvida, entre em contato que teremos o prazer de ajudar você.

2. O QUE SÃO OS LIGAMENTOS DO JOELHO?

De forma bem prática, os ligamentos do joelho podem ser interpretados como verdadeiras “cordas” que ligam dois ossos, evitando um deslocamento excessivo e aumentado a estabilidade do joelho.

Imagine que o seu joelho é uma daquelas pontes de madeira e corda…

Para que a ponte não caia, é fundamental que todas as cordas estejam intactas, garantindo a estabilidade da ponte. Da mesma forma funcionam os ligamentos do joelho!

Para que a ponte não caia, é fundamental que todas as cordas estejam intactas, garantindo a estabilidade da ponte. Da mesma forma funcionam os ligamentos do joelho!!!

Existem 4 ligamentos principais ao redor da articulação do joelho, cada um possuindo funções e características próprias. Vamos discutir no próximo tópico tudo o que você precisa saber sobre a anatomia e o funcionamento destes ligamentos do joelho.

3. ANATOMIA E FUNÇÃO DOS LIGAMENTOS DO JOELHO

Conforme falamos anteriormente, o joelho possui 4 ligamentos principais:

Ligamento cruzado anterior (LCA).
Ligamento cruzado posterior (LCP).
⦁ Ligamento colateral medial (LCM).
⦁ Ligamento colateral lateral (LCL).

aqui podemos observar os 4 ligamentos principais do joelho

Modificado de AAOS

A principal função dos ligamentos é garantir a estabilidade do joelho, fornecendo o suporte necessário para que o joelho possa ser mobilizado nas diferentes direções sem apresentar “falseio” ou aquela sensação de que o joelho está “saindo do lugar”.

Os ligamentos cruzados anterior e posterior (LCA e LCP) estão localizados no centro do joelho. Esse nome “cruzado” vem do fato de eles “se cruzarem” dentro do joelho, formando um “X”.

Os ligamentos cruzados anterior e posterior (LCA e LCP) estão localizados no centro do joelho. Esse nome “cruzado” vem do fato de eles “se cruzarem” dentro do joelho, formando um “X”.
Os ligamentos cruzados anterior e posterior (LCA e LCP) estão localizados no centro do joelho. Esse nome “cruzado” vem do fato de eles “se cruzarem” dentro do joelho, formando um “X”.

Modificado de Open Access J Sports Med

Deu para ver esse “X”???

Os ligamentos cruzados têm um papel fundamental na estabilização do joelho. O ligamento cruzado anterior (LCA) impede que a tíbia (osso da perna) vá muito para frente durante a movimentação do joelho. Já o ligamento cruzado posterior (LCP) impede que a tíbia vá muito para trás. Além desse controle “para frente e para trás”, o LCA e o LCP possuem um importante papel na rotação do joelho. A lesão do ligamento cruzado anterior é muito mais comum do que a do cruzado posterior. CLIQUE AQUI PARA LER UM TEXTO EXCLUSIVO SOBRE AS LESÕES DO LCA.

Pelo “lado de fora” do joelho, encontramos os ligamentos colaterais medial e lateral. Eles ligam o fêmur (osso da coxa) e a tíbia (osso da perna), mantendo o joelho firme quando são aplicadas forças “para dentro e para fora no joelho”.

Pelo “lado de fora” do joelho, encontramos os ligamentos colaterais medial e lateral. Eles ligam o fêmur (osso da coxa) e a tíbia (osso da perna), mantendo o joelho firme quando são aplicadas forças “para dentro e para fora no joelho”.
Modificado de J Orthop

O ligamento colateral medial (LCM) é o ligamento do joelho que mais sofre lesão. A sua função é estabilização do joelho contra o movimento em valgo excessivo. Já o ligamento colateral lateral (LCL) possui um papel de estabilização do joelho contra o varo excessivo.

Você já ouviu falar de varo e valgo do joelho? A imagem abaixo vai te ajudar a entender melhor o que seriam essas forças de varo e valgo do joelho.

Essa imagem te ajuda a entender melhor o que seriam essas forças de varo e valgo do joelho.
Essa imagem te ajuda a entender melhor o que seriam essas forças de varo e valgo do joelho.

Deu para entender melhor agora? Se ainda tiver ficado alguma dúvida quanto esse varo ou valgo (de fato, esse conceito é um pouco mais difícil mesmo), o próximo tópico irá esclarecer bastante, pois vamos falar sobre como essas lesões ocorrem (e dar exemplos práticos de varo e valgo).

4. COMO OCORREM AS LESÕES DOS LIGAMENTOS DO JOELHO?

Apesar de sabermos que uma boa parte das lesões ligamentares do joelho são ocasionadas durante a prática esportiva, existem várias outras causas possíveis. Trauma direto, acidentes automobilísticos ou mesmo pequenos deslizes durante atividades domésticas podem causar essas lesões.

O rompimento do ligamento ocorre quando o joelho é movimentado além de uma faixa normal de segurança, causando uma sobrecarga e ruptura (como um elástico que “rasgou” quando você puxou demais). E esse rompimento pode ocorrer de forma parcial ou total, apresentando diferentes graus de lesão (vamos discutir sobre o grau das lesões no próximo tópico!).

Para facilitar o seu entendimento, vamos dividir os mecanismos de lesão entre os 4 principais ligamentos do joelho.

A lesão do ligamento cruzado anterior (LCA) ocorre com maior frequência durante as práticas de esportes como futebol, basquete, vôlei e tênis. Classicamente, a lesão do LCA ocorre quando você salta e pisa de “mau jeito” ou quando você muda de direção e o pé “fica preso” no chão. Interessante ressaltar que, aproximadamente, metade das lesões do LCA apresentam lesão associada do menisco ou de outros ligamentos.

Um jogador sofrendo uma lesão do ligamento cruzado (LCA)
Ocorre com maior frequência durante as práticas de esportes como futebol, basquete, vôlei e tênis.

As lesões do ligamento cruzado posterior (LCP) são bem mais raras que as do LCA. Elas ocorrem, geralmente, com traumas de maior energia. Um exemplo são os acidentes automobilísticos, quando o joelho está dobrado e bate forte no painel do carro, forçando o joelho “muito para trás”. Além disso, na prática esportiva, o LCP pode ser rompido quando o atleta recebe um impacto direto na parte da frente do joelho, fazendo com que a perna “vá muito para trás” (como em um chute ou queda) ou após uma hiperextensão excessiva (quando o joelho estica demais).

Exemplos de coisas que podem romper o LCP
Na prática esportiva, o LCP pode ser rompido quando o atleta recebe um impacto direto na parte da frente do joelho, fazendo com que a perna “vá muito para trás” (como em um chute ou queda) ou após uma hiperextensão excessiva (quando o joelho estica demais).

As lesões do ligamento colateral medial (LCM) são as mais comuns do joelho. Geralmente, elas ocorrem quando a perna está apoiada e a região externa do joelho recebe algum tipo de trauma. Isso que acabamos de descrever é o trauma em valgo! Deu para entender melhor agora? Esse tipo de “pancada” na parte de fora do joelho pode ocorrer de várias formas, durante a prática de artes marciais, futebol ou após um atropelamento, quando o carro ou a moto batem bem no joelho.

Exemplo de lesão do ligamento colateral lateral (LCL).
Quando há essa “pancada” na parte interna do joelho, podem ocorrer as lesões do LCL. E isso é o trauma em varo!

As lesões do ligamento colateral lateral (LCL) são menos comuns que as do LCM. Isso ocorre porque a outra perna “protege” a parte de dentro do joelho (fica difícil dar um chute na parte de dentro do joelho, bem mais fácil chutar a parte de fora né?). Quando há essa “pancada” na parte interna do joelho, podem ocorrer as lesões do LCL. E isso é o trauma em varo! As lesões do LCL costumam ser mais complexas e estarem associadas com rompimento de outros ligamentos, quadro que chamamos de lesões multiligamentares.

Exemplo de como pode ocorrer lesão nos ligamentos
Exemplo de como pode ocorrer lesão nos ligamentos

Resumimos os principais mecanismos das lesões ligamentares do joelho. Acho que com esses exemplos ficou mais fácil de entender como ocorrem essas lesões e a diferença entre os traumas em varo e valgo.

Mas agora vem uma pergunta importante: todas as lesões ligamentares do joelho são iguais? Existem graus de lesões diferentes? O que seria uma lesão parcial ou total? Agora você poderá tirar todas essas dúvidas!

5. GRAU DAS LESÕES LIGAMENTARES

As torções ou entorses do joelho que causam lesões ligamentares ocorrem em gravidades diferentes. Ou seja, nem toda lesão de ligamento é igual e isso varia de acordo com a energia do trauma.

Você já leu algum laudo de exame que mostrava: “lesão parcial das fibras do ligamento, sem desinserção completa”?

Para fazer essa diferenciação, é necessário aplicar alguma classificação para as lesões ligamentares, com base em evidências indiretas de lesão ligamentar, incluindo histórico, sintomas e exame físico.

De forma simplificada, podemos dividir as rupturas ligamentares do joelho em 3 graus, que aumentam conforme a gravidade da lesão.

3 graus das rupturas ligamentares: GRAU 1, GRAU 2, GRAU 3

Modificado de Ligament and extensor mechanism injuries of the knee: diagnosis and treatment

⦁ Grau 1: a ruptura envolve apenas um número limitado de fibras do ligamento, causando dor no local, mas sem nenhum sinal de instabilidade do joelho, ou seja, o joelho ainda é capaz de realizar os movimentos normais, sem aquela sensação de que “está frouxo”. É uma espécie de “estiramento”.

⦁ Grau 2: é o que podemos chamar de uma “lesão parcial” do ligamento. Mais fibras são rompidas, entretanto, algumas são mantidas íntegras, podendo ainda manter algum grau de estabilidade do joelho.

⦁ Grau 3: nesses casos, há uma ruptura total do ligamento. Há uma descontinuidade ou falha completa entre as fibras deste ligamento, o que se associa com a instabilidade ou “frouxidão” do joelho. Essas lesões grau 3 podem ser subdivididas de acordo com o grau de instabilidade do joelho (medindo através do exame físico quanto esse joelho apresenta de “frouxidão”):

⦁ Grau I: “frouxidão” menor que 5 mm.
⦁ Grau II: “frouxidão” entre 5-10 mm.
⦁ Grau III: “frouxidão” maior que 10 mm.

Conhecendo a classificação das lesões ligamentares do joelho, você deve imaginar que quanto mais grave a lesão, maiores serão os sintomas relacionados. Quais seriam esses sintomas? O que você costuma sentir quando o seu joelho tem os ligamentos rompidos?

6. SINAIS E SINTOMAS APÓS UMA LESÃO LIGAMENTAR DO JOELHO

Muitos pacientes referem que, na hora do trauma, ouviram ou sentiram um “estalido” no joelho. Esse “estalido” pode ser causado pelo ligamento sendo rompido.

Se você lesionou um ou mais ligamentos do joelho, é provável que os sintomas sejam semelhantes, independentemente do ligamento lesionado. A gravidade dos sintomas depende do grau de lesão no ligamento. Por exemplo, um ligamento completamente rompido pode produzir mais sintomas do que um ligamento que sofreu apenas um estiramento.

Logo após a lesão, o joelho costuma iniciar um quadro inflamatório com dor, edema (o famoso “inchaço”) e limitação do movimento do joelho. Nos casos de rompimento dos ligamentos cruzados, pode levar a formação de um derrame articular, conhecido como “água no joelho” (muitas vezes, esse derrame tem um componente sanguinolento, por conta da lesão do ligamento).

Essa fase mais inflamatória, que é comum em todas as lesões ligamentares, costuma melhorar nas primeiras semanas. Após esse período de dor inicial, poderá surgir o quadro de instabilidade ou “frouxidão” do joelho. É quando você vai começar a “sentir falta” do ligamento. Será que você reconhece essa história?

⦁ “Não sinto mais dor no joelho, agora não consigo voltar a jogar/lutar. Quando vou tentar um drible/golpe, parece que o joelho vai sair do lugar”.

Passada a fase inflamatória inicial, cada um dos ligamentos lesionados terá uma manifestação e instabilidade específica.

Essa, sem dúvidas, é a parte mais importante na avaliação das lesões ligamentares: um exame físico completo. Precisamos realizar diversas manobras para testar cada um dos ligamentos. Só assim saberemos se eles estão funcionando ou se o seu joelho está “saindo do lugar”. Resumidamente, vamos citar alguns dos principais testes para avaliar os ligamentos do joelho.

Lesões do ligamento cruzado anterior (LCA): teste da gaveta anterior e teste de Lachman. São testes que avaliam se o osso da perna (tíbia) está vindo muito “para frente”, o que significaria uma lesão do LCA. Quer saber tudo sobre a lesão do LCA? Clique aqui.

Lesões do ligamento cruzado anterior (LCA): teste da gaveta anterior e teste de Lachman. São testes que avaliam se o osso da perna (tíbia) está vindo muito “para frente”, o que significaria uma lesão do LCA
Lesões do ligamento cruzado anterior (LCA): teste da gaveta anterior e teste de Lachman. São testes que avaliam se o osso da perna (tíbia) está vindo muito “para frente”, o que significaria uma lesão do LCA

Modificado de JAAOS

Teste da gaveta anterior
Lesões do ligamento cruzado anterior (LCA): teste da gaveta anterior e teste de Lachman. São testes que avaliam se o osso da perna (tíbia) está vindo muito “para frente”, o que significaria uma lesão do LCA.

Modificado de Sports Med Arthrosc Rehabil Ther Technol

Lesões do ligamento cruzado posterior (LCP): teste da gaveta posterior. De maneira semelhante ao teste do LCA, esse teste do LCP tenta empurrar a tíbia “para trás”, demonstrando a insuficiência do LCP. Observe que na imagem abaixo a perna esquerda vai mais para trás do que a perna direita.

Teste da gaveta porterior
Lesões do ligamento cruzado posterior (LCP): teste da gaveta posterior. De maneira semelhante ao teste do LCA, esse teste do LCP tenta empurrar a tíbia “para trás”, demonstrando a insuficiência do LCP. Observe que na imagem abaixo a perna esquerda vai mais para trás do que a perna direita.

Modificado de JAAOS

Conseguiu ver a perna esquerda mais para trás???

Lesões do ligamento colateral medial (LCM): realizamos o teste com aplicação de força em valgo do joelho (na parte de fora do joelho), avaliando a abertura e frouxidão ocasionadas.

Lesões do ligamento colateral lateral (LCL): parecido com o teste do LCM, só que aplicando a força em varo (na parte de dentro do joelho).

Realizando teste com força em VALGO e VARO do joelho
Um ponto é fundamental no exame físico das lesões ligamentares: a avaliação deve ser sempre comparativa, utilizando-se o lado sem lesão como parâmetro de normalidade.

Modificado de Sports Med Arthrosc Rehabil Ther Technol

Um ponto é fundamental no exame físico das lesões ligamentares: a avaliação deve ser sempre comparativa, utilizando-se o lado sem lesão como parâmetro de normalidade.

Agora que você já sabe tudo do exame físico das lesões ligamentares, vai ficar muito fácil entender como diagnosticar de forma correta uma lesão ligamentar do joelho. Vamos falar tudo o que você precisa saber no próximo tópico.

7. EXAMES COMPLEMENTARES E DIAGNÓSTICO DAS LESÕES DOS LIGAMENTOS DO JOELHO

Vamos enfatizar aqui novamente: a parte mais importante para o diagnóstico correto das lesões ligamentares do joelho é um exame físico completo e detalhado. Nenhum exame de imagem irá substituir todos aqueles testes (e vários outros) que demonstramos no tópico anterior. Por isso a importância de você ter uma avaliação com um Especialista em Joelho com experiência no tratamento das lesões ligamentares.

O raio-X pode ser utilizado logo após o trauma para excluir se houve alguma fratura ou avulsão óssea. Entretanto, o melhor exame na avaliação de lesões ligamentares é a ressonância magnética.

Através da ressonância, podemos avaliar se a lesão é parcial ou total, além de permitir identificar lesões associadas, como contusão óssea e lesão dos meniscos (clique aqui para saber tudo sobre as lesões dos meniscos).

Vou mostrar algumas imagens de lesão ligamentar na ressonância (comparando com um ligamento normal) para que você possa visualizar e compreender melhor. De forma simplificada, o ligamento normal costuma ser “preto” na ressonância. Quando lesionado, ele fica “borrado”, meio “cinzento” ou com o “branco” que significa edema e inflamação.

Ressonância magnética para ver a lesão ligamentar
o ligamento normal costuma ser “preto” na ressonância. Quando lesionado, ele fica “borrado”, meio “cinzento” ou com o “branco” que significa edema e inflamação.

Modificado de JBJS

Ressonância magnética para ver a lesão ligamentar
De forma simplificada, o ligamento normal costuma ser “preto” na ressonância. Quando lesionado, ele fica “borrado”, meio “cinzento” ou com o “branco” que significa edema e inflamação.

Modificado de JBJS

Ressonância magnética para ver a lesão ligamentar
De forma simplificada, o ligamento normal costuma ser “preto” na ressonância. Quando lesionado, ele fica “borrado”, meio “cinzento” ou com o “branco” que significa edema e inflamação.

Modificado de JBJS

Ressonância magnética para ver a lesão ligamentar
O ligamento normal costuma ser “preto” na ressonância. Quando lesionado, ele fica “borrado”, meio “cinzento” ou com o “branco” que significa edema e inflamação.

Modificado de JBJS

Deu para visualizar o ligamento e a sua lesão nessas imagens de ressonância? Caso você tenha tido alguma dificuldade, não se preocupe! A ressonância é um exame tecnicamente mais difícil para ser interpretado por quem não está muito acostumado. Durante a consulta, o especialista em joelho irá mostrar e explicar para você a lesão no seu exame.

A ressonância magnética é um exame complementar, ou seja, ela vai servir para confirmar os achados do exame físico. É importante que as alterações apresentadas na ressonância tenham uma correspondência no exame físico. Isso vai fazer com que você não passe por nenhum procedimento desnecessário. Novamente, o exame físico é a parte mais importante da sua avaliação!!!

Agora que já discutimos tudo, da anatomia até o diagnóstico, vamos para a parte que, certamente, você tem mais interesse: como fazer o tratamento das lesões ligamentares do joelho?

8. VISÃO GERAL SOBRE O TRATAMENTO DAS LESÕES LIGAMENTARES

Conforme já comentamos nos tópicos anteriores, independentemente de qual ligamento foi rompido, os sintomas de dor, inchaço e limitação do movimento estarão presentes logo após o trauma. Nessa fase inicial, utilizamos medidas como repouso e imobilização, além da aplicação de gelo no local e uso de medicações analgésicas e anti-inflamatórias.

O início precoce do processo de reabilitação e fisioterapia é fundamental para alcançarmos bons resultados no tratamento das lesões ligamentares do joelho. Isso vai garantir uma recuperação mais precoce da mobilidade, melhorando a função do joelho. Mesmo nos casos em que seja necessária alguma intervenção cirúrgica para a reconstrução ou reparo dos ligamentos do joelho, uma fisioterapia pré-operatória pode facilitar todo o processo de recuperação.

Vamos agora contar uma história muito comum quando estamos tratando dessas lesões ligamentares.

Logo após o trauma, o joelho ficou bastante “inchado” e dolorido. Você fez todas as medidas que comentamos nos parágrafos anteriores, após 2-3 semanas, o joelho estava sem dor e “desinchado”. Nesse momento, você tentou voltar às suas atividades normais. Porém, surgiu um problema: você não sentia “confiança” no joelho, era como se ele quisesse “sair do lugar”. Será que isso já aconteceu com você??

O grande fator para decidirmos se o tratamento será conservador (sem necessidade de cirurgia) ou cirúrgico é a presença ou não de INSTABILIDADE. O joelho precisa de “firmeza” para executar sua função de maneira adequada.

Por isso vou repetir mais uma vez, o exame físico completo executado por um Especialista em Joelho com experiência no tratamento das lesões ligamentares do joelho é a etapa mais importante na escolha do tratamento aquedado.

Deu para guardar esse conceito da instabilidade (ou “frouxidão)? Você tem a sensação que o seu joelho vai “sair do lugar”? Com isso em mente, vamos ver agora as opções de tratamento.

9. TRATAMENTO CONSERVADOR (NÃO-CIRÚRGICO)

Na maioria dos casos, as lesões do ligamento colateral medial (LCM) podem ser tratadas sem cirurgia. Além das lesões do LCM, lesões ligamentares parciais e em pessoas de baixa demanda, ou seja, que não forçam muito o joelho, também podem não necessitar de cirurgia.

O mais importante é individualizar cada caso, não existindo um protocolo único de tratamento. Fatores como a idade do paciente e, principalmente, o grau de atividade física e demanda funcional devem ser considerados. A experiência e familiaridade do Especialista em Joelho no tratamento das lesões ligamentares é peça-chave nesse processo.

O tratamento sem cirurgia (conservador) consiste de imobilização e fisioterapia. Esse imobilizadores podem dar um suporte necessário para que o seu ligamento possa cicatrizar de maneira adequada. Algumas dessas joelheiras são articuladas, permitindo que você dobre o joelho. Cada caso possui uma indicação específica, não deixe de consultar o seu médico de confiança.

O tratamento sem cirurgia (conservador) consiste de imobilização e fisioterapia. Esse imobilizadores podem dar um suporte necessário para que o seu ligamento possa cicatrizar de maneira adequada. Algumas dessas joelheiras são articuladas, permitindo que você dobre o joelho. Cada caso possui uma indicação específica, não deixe de consultar o seu médico de confiança.
O tratamento sem cirurgia (conservador) consiste de imobilização e fisioterapia. Esse imobilizadores podem dar um suporte necessário para que o seu ligamento possa cicatrizar de maneira adequada. Algumas dessas joelheiras são articuladas, permitindo que você dobre o joelho. Cada caso possui uma indicação específica, não deixe de consultar o seu médico de confiança.

Modificado de Nagoya J Med Sci

Não deixe de contar com um bom fisioterapeuta para ajudar você! A fisioterapia irá permitir uma melhor recuperação funcional do seu joelho, com ganho de movimentação e redução da dor. Além disso, um plano de fortalecimento muscular deve ser seguido. Esses músculos “mais fortes” promovem uma maior sustentação para a articulação do joelho.

Infelizmente, nem todos os casos irão ter sucesso no tratamento conservador, sendo necessária a intervenção cirúrgica. Quer saber em quais casos a cirurgia é bem indicada? Acompanhe o próximo tópico!

10. TRATAMENTO CIRÚRGICO

A presença da instabilidade após uma ruptura ligamentar do joelho é uma das indicações de cirurgia. Esses “falseios” repetitivos podem levar a um desgaste acelerado da cartilagem e lesões dos meniscos, merecendo então toda a nossa atenção.

Isso é mais comum de acontecer após uma lesão total e/ou quando mais de um ligamento sofre ruptura (o que chamamos de lesões multiligamentares). Nesses casos, a chance de cicatrização é menor, sendo necessária alguma intervenção cirúrgica.

Quando optamos pelo tratamento cirúrgico das lesões ligamentares do joelho, na maioria dos casos, esses ligamentos são reconstruídos. Ou seja, utilizamos algum tipo de enxerto para formar um “novo ligamento”.

O ligamento do joelho mais comumente reconstruído é o ligamento cruzado anterior (LCA). Muitas vezes, as lesões do LCL e LCM estão associadas a uma lesão do LCA. Por serem provocadas por um trauma de maior energia (uma “pancada mais forte”), as lesões do LCP costumam estar associadas com lesão de mais algum ligamento.

As imagens abaixo servem para ilustrar algumas das técnicas utilizadas no tratamento cirúrgico das lesões ligamentares do joelho.

LCA reconstruído
As imagens servem para ilustrar algumas das técnicas utilizadas no tratamento cirúrgico das lesões ligamentares do joelho.

Modificado de Int Orthop

LCP reconstruído
As imagens servem para ilustrar algumas das técnicas utilizadas no tratamento cirúrgico das lesões ligamentares do joelho.

Modificado de Clin Orthop Relat Res

Reconstrução do LCM
As imagens servem para ilustrar algumas das técnicas utilizadas no tratamento cirúrgico das lesões ligamentares do joelho.

Modificado de Orthop Surg

Reconstrução do LCL
As imagens servem para ilustrar algumas das técnicas utilizadas no tratamento cirúrgico das lesões ligamentares do joelho.

Modificado de Arthrosc Tech

Deu para compreender as imagens? Caso tenha tido alguma dificuldade, não se preocupe, a intenção era mais ilustrar para que você possa ter uma ideia de como seria uma cirurgia de ligamento. Todo esse passo-a-passo será discutido com você na consulta pré-operatória.

O mais importante é sempre individualizarmos cada caso. Você possui características e necessidades únicas, entender muito bem o seu caso é o passo mais importante para o sucesso do tratamento. Conte sempre com um Especialista em Joelho para ajudar você nesse processo.

Você achou que já tinha acabado? O tratamento não é concluído com a cirurgia! Após a reconstrução ligamentar vem uma etapa fundamental para alcançarmos bons resultados: a reabilitação pós-operatória. O seu empenho agora é essencial!!!

11. REABILITAÇÃO E ORIENTAÇÕES NO PÓS-OPERATÓRIO DAS LESÕES DOS LIGAMENTOS DO JOELHO

A primeira pergunta que quase todos os pacientes fazem é a seguinte: “quando poderei voltar para as minhas atividades normais?”. Essa resposta não é fácil. Conforme estamos sempre falando, cada caso deve ser avaliado de forma individual.

Lesões mais complexas (aquelas com lesão de vários ligamentos) podem demorar um pouco mais. Além disso, quando há algum machucado no menisco ou na cartilagem, o plano de reabilitação também pode ser modificado.

A fisioterapia e o fortalecimento muscular vão ser fundamentais para fazer você sentir novamente a “confiança” e a “firmeza do joelho”. Devemos “dar tempo ao tempo”. Um erro é tentar acelerar demais o processo, não permitindo que o novo ligamento cicatrize de maneira adequada.

Profissional de fisioterapia auxiliando paciente em exercício de fortalecimento do joelho
A fisioterapia e o fortalecimento muscular vão ser fundamentais para fazer você sentir novamente a “confiança” e a “firmeza do joelho”.

Modificado de Physio UK

Deu para notar que a reabilitação é cheia de detalhes e que cada caso tem a sua característica própria né?

Sendo assim, mais do que descrever algum protocolo de reabilitação pós-operatório das lesões ligamentares, prefiro recomendar uma conversa entre o Especialista em Joelho e o Fisioterapeuta, discutindo o que foi realizado na cirurgia e as melhores estratégias para reabilitar e permitir o retorno mais precoce às atividades.

As lesões dos ligamentos do joelho merecem bastante atenção e cuidado. Se ficou com alguma dúvida e caso precise de mais esclarecimentos, estamos à disposição para pode lhe ajudar da melhor maneira possível. Conte conosco!